Esmola? Melhor não

Pode parecer ajuda, mas dar dinheiro a moradores de rua, a famosa esmola, pode trazer graves problemas a vida dessas pessoas. Por isso, a Prefeitura de Campinas, com apoio do Recap iniciou a campanha “Troque a Esmola por Cidadania”.

O objetivo é conscientizar a população que esse dinheiro, muitas vezes, é usado para sustentar o vício em álcool e drogas. Além disso, este fator pode ser um dos atrativos para a vinda de novas pessoas pedintes e flanelinhas.

‘‘É uma chamada à sociedade, não existe solução fácil para problemas difíceis. Com adultos temos de adotar a abordagem do convencimento”, disse o prefeito Jonas Donizetti (PSB), durante a cerimônia de lançamento da campanha em abril.

Os postos de combustíveis serão usados para a distribuição do material de divulgação da campanha, que explica os motivos para não dar esmola. As revendas têm papel central na campanha pelo alto fluxo de pessoas que transitam pelo local. Os frentistas ajudam na conscientização dos motoristas – alvos frequentes dos pedintes – com a distribuição do material impresso.

A campanha também alerta para o ato de dar comida, roupas, colchão e cobertores. Segundo a prefeitura, estas doações podem apenas fortalecer a permanência dessas pessoas nas ruas sem perspectiva de vida melhor, uma vez que suas necessidades momentâneas são atendidas. O ideal é encaminhá-las para locais especializados.

No caso da comida, o morador de rua quando é atendido pelo Centro POP ( Centro de Referência Especializada para a População em Situação de Rua) recebe um vale refeição, podendo alimentar-se no Bom Prato e à noite, por meio de trabalhos voluntários, pode buscar alimentação na Casa da Cidadania.